Páginas

segunda-feira, 20 de Fevereiro de 2012

Profiteroles gigantes - O Islandês Bolludagur



Profiteroles gingantes? Pensam vocês... Cream puff balls será o termo mais correcto em inglês... Sinceramente não sabia que lhes chamar na nossa língua mãe!

Caracterizam-se por uns pasteis em forma de bola, confeccionados com massa choux, recheados com resmas de natas e compota; são tradicionalmente servidos aqui na Islândia durante o Bolludagur (o dia das bolas).
Neste dia, as crianças da casa acordam de manha cedo, entram sorrateiramente no quartos dos pais, e começam a dar pancadas nos pais ainda sonolentos, usando uma espécie de varinha mágica de papel colorido, gritando bem alto bolla bolla bolla! Por cada pancada dada deverão receber um pastel que é normalmente servido ao pequeno almoço, mas não necessariamente.
Ao longo do dia, toda a gente se vai empandurrando com estas gingantescas bolas, comendo até não poder mais...
O Bolludagur, é sempre celebrado na 7ª segunda-feira antes da Páscoa. precisamente antes do inicio do período católico de jejum, a Quaresma.
Este dia dedicado aos prazeres da gula, é ainda seguido pelo Sprengidagur (o equivalente ao nosso Carnaval), outro dia de excessos onde supostamente toda a gente deverá comer até explodir! (sprengi - explodir, dagur - day) Neste dia a ementa gira em torno de carne de ovelha salgada.
Como em  tempos o jejum da quaresma era levado muito a sério, estas datas surgiram como forma de compensar os dias magros que se avizinhavam.

 Este ano, coube-me a mim, e as minhas caras colegas, assegurar o fornecimento destes fartos pasteis... Atarefadamente a nossa padaria abasteceu toda a comunidade com estas iguarias!
E nós, comemos tanto que mal podemos acabar o dia de trabalho... hehe...

Deixo-vos aqui a receita, pois Bolludagur é quando um Homem guloso quiser!



Para cerca de 10 pasteis grandes
Ingredientes para Massa Choux
270gr farinha peneirada.
440ml de água
170gr de manteiga sem sal
1/2 c.c. sal fino
cerca de 350ml de  ovos (dependendo dos ovos, um ovo grande ronda os 50ml)

Faz-se assim
Pré-aquecer o forno a 220ºC.
Num tacho, colocar a água e a manteiga. Levar ao lume e mexer ocasionalmente até que a manteiga derreta completamente. A mistura deverá começar a fervilhar.
Adicionar a farinha pouco a pouco mexendo energicamente para evitar a formação de grumos.
Mexer sempre até que a massa se comece a desagarrar das paredes do tacho. Retirar do lume, transferir para uma taça e deixar arrefecer.

Tendo a mistura esfriado o suficiente, adicionamos os ovos um a um (se tiverem um robot de cozinha ou algo do género, facilitará imenso esta tarefa!), sendo que o ovo seguinte só é adicionado quando o anterior estiver já bem incorporado.
A massa deverá ficar cremosa e estável, por isso a quantidade de ovos poderá variar.

Colocar a massa num saco de pasteleiro (eu usei um bico estrela). Num tabuleiro com papel vegetal, dar forma a 10 pasteis grandes, fazendo a massa sair em espiral.

Levar ao forno 220ºC nos primeiros 12 minutos. Assim que os pasteis comecem a ganhar cor, reduzir a temperatura para 190ºC e cozer por mais 10-15 minutos. Não caiam na tentação de abrir o forno antes deles estarem prontos, pois uma subita perda de carlor pode fazer com que eles colapsem.

Retirar do forno, e deixar arrefecer sobre uma grelha.


Montagem
Cortar cuidadosamente os pasteis ao meio; rechear com compota de ruibarbo no fundo, e completar com montanhas de natas batidas simples.
Finalizar colocando a parte de cima do pastel, regando com chocolate derretido!



Felizes festividades gulosas :)

sábado, 18 de Fevereiro de 2012

Panna Cotta de Laranja - 6º aniversário da Laranjinha

 

Seis anos comemora agora o blog Cinco Quartos de Laranja! Uma laranja madura e consistente no seu conteúdo; ao longo destes 6 anos continua a alimentar o nosso estomâgo e imaginário com boa comida, viagens, e histórias que elevam o nosso músculo cultural. As receitas essas são fabulosas, sempre muito bem ilustradas por fotos que nos deixam a salivar deste lado do ecrã.

Na área da culinária, é o blog que recordo desde sempre; serviu-me de inspiração nas minhas primeiras pesquisas de manjares e petiscos. Sem dúvida um blog de referencia, que no passado ano recebeu mesmo uma distinção como melhor blog 2011 Aventar.

Para celebrar o seu 6º aniversário a Laranjinha propôs que confeccionássemos uma receita com Laranja.
Se quiserem participar na festa, podem ver mais detalhes aqui.

A minha sugestão foi Panna cotta de laranja e lavanda, ora espreitem,



Rende 5 porções
Ingredientes
500ml de natas
60ml de sumo de laranja fresco
100gr de açúcar integral
1 tira de casca de laranja
1 flor de lavanda
1 c.sopa de grand marnier
4 folhas de gelatina

Faz-se assim
Mergulhar as folhas de gelatina em água fria. Reservar.
Numa caçarola, levar ao lume as natas, açúcar, sumo e casca de laranja, assim como a flor de lavanda.
Mexer com uma colher de pau até que o açúcar se dissolva. Deixar levantar fervura 2-3 minutos e retirar do lume.
Incorporar o licor gran marnier.
Passar por um coador de rede, para retirar todas as impurezas, flores etc.. Reservar.
Retirar as folhas de gelatina da água, espremer bem com a mão.
Adicionar a gelatina ao preparado quente, mexer bem até que fique bem incorporada.

Verter para 5 forminhas, copos, ou ao vosso gosto. Eu sirvo sempre directamente nos copinhos.

Deixar arrefecer, e depois colocar no frigorífico, esperar algumas horas antes de servir.

Bom apetite, boas celebrações!
Um beijinho especial para a Laranjinha :)

segunda-feira, 13 de Fevereiro de 2012

Ruibarbo Streusel kuchen - Especial São Valentin



Este ano para celebrar o dia dos namorados, escolhi um bolo típico da cultura gastronómica germânica.
Encontrei um restinho de ruibarbo nas profundezas do meu congelador; olhei para ele, e as memórias dos Streusel Kunchen invadiram-me de tal maneira que não descansei enquanto não o transformei num perfumado bolo! 

A receita foi adaptada da revista alemã Laura Backen im Frühling do ano passado, que nesse caso era com cerejas. E eu própria já os fiz com abrunhos, e alperces. São realmente bolos muito especiais, onde o contraste doce e acido se envolvem apaixonadamente; perfeito mesmo seria fazer-se acompanhar por uma sublime Wiener melange . Ahh saudades de Viena...

 

Para forma de +/- 25 cm

Ingredientes Recheio
600gr ruibarbo (usei congelado)
50gr açúcar integral
2 c.chá gengibre fresco triturado
1 c.c. cardamomo em pó
1 c.sopa de sumo de lima

Preparo
Colocar todos os ingredientes numa caçarola e levar ao lume sem levantar grande fervura. Deixar assim a cozer lentamente, até que o ruibarbo se desfaça por completo e se transforme numa compota.
Retirar do lume e deixar arrefecer bem. Reservar.

Ingredientes para base e topo
300gr manteiga amolecida
425gr farinha
225gr açúcar integral
1 c.sopa de açúcar baunilhado
200gr de amêndoa moída (eu costumo faze-lo em casa)
25 gr de amêndoa laminada para finalizar

Preparo 
Untar uma forma de tarteira (fundo amovivel) de 25cm, pré-aquecer o forno a 180ºC.
Colocar todos os ingredientes numa taça larga e desfazer a manteiga com as pontas dos dedos até obter uma textura areada.
Este processo será facilitado com a ajuda de um mixer de cozinha, usando a pá plana.
Assim que a nossa massa esteja bem homogenizada, transferir 700gr para a forma préviamente untada.
Pressionar bem para dar forma à base deste Streusel kuchen, não esquecendo os lados da forma, pressionar com os dedos contra o anel da forma. de modo a ficar com alguma altura.

Se a base do bolo estiver muito instável, colocar a forma durante alguns minutos dentro do frigorífico para que fique mais firme.

Verter a compota para dentro da base e espalhar uniformemente.
Cobrir com a restante massa, apertando-a na mão, dando forma a pedaços grandes que conferirão uma textura ainda mais crocante.
Salpicar com a amêndoa laminada e levar ao forno durante 25-30minutos.
Se a amêndoa começar a queimar cobrir com um papel de alumínio.

Desejo-vos um apaixonado dia de São Valentim, e bons momentos a dois :)

quarta-feira, 8 de Fevereiro de 2012

Potezinhos de nabo - Convidei para jantar... Michael Pollan



A Ana, do blog Anasbageri, criou um projecto muito interessante, que vai dar asas à nossa imaginação... 
Em cada mês convidaremos para jantar pessoas ou personagens, fictícias e até mesmo reais, que o nosso imaginário gostaria de ver sentado à nossa mesa!

Mensalmente haverá um determinado tema, e a Ana convida-nos também a acolher este desafio nos nossos blogs, caso estejam interessados é só contacta-la! Deixo-vos aqui o link para poderem participar, e ler mais detalhadamente sobre este desafio...  Convidei para jantar.

A minha escolha não foi fácil, quanta gente não gostaríamos nós de ter à nossa mesa? No íntimo do nosso lar, a inevitável partilha de histórias e das mais variadas vivências e opiniões. Conversas fluindo ao som da boa comida, cozinhada com dedicação, especialmente a pensar nos nossos convidados...

Para este primeiro desafio, convidei não uma personagem, mas sim um escritor.
Michael Pollan, professor, jornalista e activista norte americano, foi considerado uma das pessoas mais influentes pela revista Time em 2010.

Escreveu inúmeros livros alertando para uma maior consciência global no que toca às nossas escolhas alimentares; desmascarando os engenhosos esquemas inventados pelas grandes empresas, peritas em lavagem cerebral ao consumidor comum. 

Michael Pollan apresenta-nos uma visão clara e realista do panorama actual dos 'nossos' hábitos alimentares. Numa voz arrojada atreve-se mesmo a desafiar a comunidade cientifica, fazendo-nos reflectir sobre o que julgamos ser normal.

Livros destacados
- Food rules
- The Omnivore's Dilemma
- In Defense of food, an eater's manifesto.

Algumas das palestras deste brilhante autor encontram-se disponíveis no youtube, podem dar uma espreitadela, aconselho vivamente!

Ora como não podia deixar de ser, a ementa escolhida para o jantar foi baseada em produtos locais, da época, simples e sem produtos processados.


Para 4 forminhas
Ingredientes
1 nabo grande (250gr) em cubos (produção nacional)
1 cebola roxa picada (ainda do nosso jardim)
2 ovos grandes (da nossa comunidade)
1 dente de alho picado
1/2 c. café de noz moscada
1c.chá sementes de coentros
Sal fino e pimenta  a gosto


Preparação
Pré aquecer o forno a 180ºC, untar 4 forminhas pequenas de cerâmica com manteiga. Reservar.
Cozer o nabo no mínimo de água possível. Pois quanto mais água usarmos, mais vitaminas e nutrientes estamos a disperdiçar... Salpicar com um pouco de sal e deixar cozer até ficar bem suculento. Escoar o nabo, e deixar arrefecer.
Esmagar o nabo com um garfo e adicionar cebola e alho picados. Quando a mistura estiver suficientemente arrefecida, juntar os ovos, incorporando-os bem.
Por fim acrescentar as sementes de coentros esmagadas e os restantes temperos.  
Dividir o preparado pelas 4 forminhas e levar ao forno 180ºC por cerca de 30 minutos, se os topos começarem a queimar, cobrir com uma folha de alumínio e já está!

Sugestão, para os apreciadores de queijos poderão ainda enriquecer estes potezinhos com queijo ralado, que deverão incorporar na massa.

Acompanhei com saladinha de folhas variadas local.





sábado, 4 de Fevereiro de 2012

Relish de Beteraba Vermelha



Apesar de nunca o ter partilhado aqui convosco, sou uma grande devota das conservas e compotas caseiras.


O sentimento de criar algo excepcional; o potencial único que existe em toda a produção excedente de frutos e vegetais, a brotar por esses campos e quintais fora; o prazer de estender a vida da nossa fruta preferida para além da sua limitativa época! Tudo isto foram e continuam a ser os grandes motivos desta minha dedicação, com certeza partilhada com muitos de vós.


Infelizmente, as circunstâncias em que actualmente vivo, privam-me um pouco deste hobby; pois esta satisfação pessoal só é atingida se os vegetais forem crescidos por nós, familiares ou amigos, ou até mesmo se os produtores forem locais... As compras no super mercado (sim porque aqui não há mercados a maior parte do ano, o que me deixa muito triste) é muito impessoal, os produtos vem de todo o mundo, o que castra de imediato o meu potencial imaginário, arrasando o gozo que me dão as conservas! No fundo as conservas são um acto de auto-suficiência alimentar e por isso me dá tanto prazer confeccioná-las.






Este relish já o fiz há algum tempo, e foi uma das muitas experiências que fizemos lá no trabalho. Por isso um beijinho especial a minha querida colega Aisté :)


A receita essa é do livro Preserves, colecção River Cottage handbook, da autora Pam Corbin. Podem encontra-lo na caixinha verde das recomendações de livros da Amazon, aqui no blog do lado direito.


Rende 5 frascos pequenos
Ingredientes
1 kg beterrabas vermelhas tenras, bem lavadinhas (usei de produção islandesa)
fio de azeite
250gr de açúcar
150ml vinagre de vinho tinto
2 c.sopa de vinagre balsâmico
1 cebola vermelha grande, picada
1 c.sopa de mostarda de boa qualidade (usei em vez do horseradish)


Ingredientes para o assado de tomate
1 kg tomates maduros (eu usei de produção local, aqui das nossas estufas bio)
2 c.chá de sal
4 dentes de alho
fio de azeite


Preparo
Começamos por pré-aquecer o forno a 180ºC.
Para o puré de tomate, cortar os tomates ao meio, coloca-los com a parte cortada para cima num tabuleiro largo para ir ao forno. Salpicar com sal, um fiozinho de azeite e o alho laminado.
Colocar no forno na prateleira do fundo, assar por cerca de 1 hora.
Retirar do forno, e com a ajuda de um passador de rede, esfregar os tomates contra a rede, extraindo toda a sua polpa, deixando peles e sementes para trás.
No final deveremos ter obtido cerca de 300ml de deliciosa polpa. Reservar.


Entretanto...


Dispor as beterrabas inteiras num tabuleiro pronto para ir ao forno, regar com um fiozinho de azeite.
Assar na prateleira a cima dos tomates, este processo deverá levar cerca de uma hora e meia ou mais. A pele das beterrabas deverá ficar macia, escurecida e a começar a soltar-se.
Retirar do forno, deixar arrefecer até que seja possível manuseá-las. Retirar a pele, ralar grosseiramente, quer seja à mão ou até mesmo num mixer de cozinha.
Reservar.


Colocar 5 frascos, e respectivas tampas no forno a 160 ºC, por não menos de 10 minutos. ( Este é o meu método de esterilização, é pratico e eficiente)


Num tacho, coloca-mos o açúcar, vinagres e a cebola picada. Deixar levantar fervura, e cozer por 5 minutos, até que o açúcar se dissolva.
Adicionar o molho de tomate, e mostarda, incorporar bem, cozendo por mais alguns instantes.
Por fim adiciona-mos a rainha deste relish, a beterraba, deixando cozer até que a mistura engrosse um pouco.


Verter a mistura ainda quente para frascos esterilizados acabados de sair do forno.
Selar bem, e deixar arrefecer à temperatura ambiente. De acordo com o livro, esta conserva terá a validade de um ano. (guardei as minhas no frigorífico) 


Servir com pão com manteiga, queijos; como complemento nas refeições etc etc...
É uma excelente alternativa às compotas doces, na hora em que os ataques vorazes por snacks apertam!