segunda-feira, 19 de Dezembro de 2011

Nuss strudel, um strudel com sabor a passado...

 

Nesta altura do ano dou por mim a revirar memórias, recordando pedaços de vida de outros tempos, sentindo a nostalgia típica dos bons momentos passados noutras paragens...
Tentando não me deixar envolver por grandes saudosismos,  vivo a época com naturalidade e sorriso tímido no rosto.
Claro que custa passar o Natal fora da terra que nos criou, mas com o passar dos anos a saudade transforma-se em aceitação, evolui para curiosidade pelos novos costumes dos sítios onde me estabeleci...

Este será o meu primeiro natal na terra do gelo e do fogo, a Islândia. Estou a viver tudo muito introspectivamente; a falta de luz tem assim este efeito em nós, seres do sul...

Mas a receita que vos trago hoje é de outras paragens, procurando relembrar os bons momentos que vivi em Vienna...

A receita foi baseada num strudel de sementes de papoila.



Rende um bolo grande
Ingredientes massa
500gr de farinha para pão
150gr margarina
100ml leite 
50gr açúcar
20gr fermento fresco/ 10gr fermento granulado
2 ovos + 1 para pincelar
pitada de sal

Faz-se assim
- Começamos por aquecer o leite com a margarina. Assim que a margarina estiver derretida, retirar do lume e deixar arrefecer até à temperatura ambiente.
- Se usarem fermento fresco, desfazer o fermento na mistura de leite e margarina.
- Misturar todos os ingredientes secos (incluindo o fermento granulado, se usarem esta opção).
- Fazer uma cova no meio dos ingredientes secos, verter o leite com margarina para o centro e começar a misturar. 
- Assim que a massa comece a ficar homogénea, adicionar os ovos inteiros. Incorporar bem, amassando vigorosamente. (Note-se que amassei à mão, uns bons 3-4 minutos serão suficientes)
- Estando a massa já bem amassada, com uma consistencia fofa e elástica ao toque, colocar num recipiente e deixar descansar coberto com um pano, em local quente. Deverá demorar cerca de 1 hora até que duplique o seu volume.

Entretanto...



Ingredientes recheio
300 gr de nozes e avelãs
200ml de leite
150gr açúcar
raspa de 1 limão
2 c.s. de agua ardente 
1 c.c. canela em pó

Faz-se assim
- Começar por triturar finamente as nozes/avelãs.
- Combinar todos os ingredientes, até obterem uma pasta grosseira, reservar.

Montagem
- Pré aqucer o forno a 200ºC. Preparar um tabuleiro com papel vegetal.
- Estender a massa até obter um rectangulo, com cerca de 5mm de espessura.
- Sobre a massa espalhar uniformemente todo o recheio.
- Enrolar cuidadosamente, apertando suavemente à medida que se vai enrolando.
- Colocar o rolo sobre o tabuleiro com papel vegetal; tendo o cuidado de colocar o sitio onde foi selado para baixo.
- Pincelar com ovo e levar ao forno entre 30-40 minutos, reduzindo a temperatura para 180ºC.
- Vigiar e se necessário cobrir com papel aluminio.

Desfrutem com um bom cafézinho...
Boa Semana* Boas festas*






sexta-feira, 16 de Dezembro de 2011

Eis os resultados do Desafio Local - Comemoração do 2º aniversário

Imagem do Cantinho Verde

Olá,

Antes de mais um grande bem haja a todos pelos magníficos posts recheados das mais diversas iguarias, que afinal de contas nem precisam de vir do outro lado do planeta... Com um bocadinho de esforço e imaginação tudo se consegue!

Não sou radical nestas coisas da Comida local, mas notem que, hoje em dia as nossas escolhas alimentares tem um grande impacto a nível ambiental, já para não falar a nível económico; e nos inumeros beneficios para a saúde. 
Já repararam, cada vez que optamos por abastecer os nossos lares numa grande superfície, estamos apenas a ajudar as grandes empresas, muitas vezes multinacionais? E que esses produtos vem de todas as partes do mundo, e muitas das vezes fora de epoca?

Há que repensar as nossas escolhas; enquanto consumidores, temos um grande poder em mãos, nós podemos fazer a diferença, se adoptarmos uma postura responsável e mais consciente.
Ajudem os vossos produtores locais; frequentem os mercados locais; façam uma horta; juntem-se a alguém que tenha um pedaço de terra a pedir para ser cultivado! Ponham vasos nas vossas varandas! Sujem as mãos com terra! Não há maior prazer do que cozinhar algo que cultivamos pelas nossas mãos!

Vamos ser consumidores mais responsáveis!

E agora a lista, por ordem de participação:


A Sanda, do blog Little Upside-down Cake, com um magnifico pudim de Marmelo de uma produtora local. Mesmo na época hmm...


A Ana, do blog Anasbageri - A padaria da Ana, um blog que nos é escrito a partir da Suécia. 
Apesar de a Ana morar num sitio onde o Inverno não é propriamente generoso, conseguiu participar neste desafio, apresentando-nos uma magnífica tarte de maçã com maçãs vindas do quintal da sua sogra. 




A Manuela, do blog Cravo e Canela - Uma cozinha no Brasil, com uma sugestão para uma refeição simples ou até mesmo como acompanhamento, o ingrediente eleito, foi feijão verde directamente da sua horta. Um prato bastante simples e extremamente acessível para qualquer pessoa que possua uma horta.



A Ginja, do aromático blog Ananás e Horetlã, com um arrojado e aromático crumble de abóbora, os ingredientes, esses vieram directamente do quintal das suas vizinhas. Magnifico esse espírito de entre ajuda que ainda se vive no seio das aldeias Portuguesas!



A Carla, do blog De cozinha em cozinha passando pela minha, apesar de morar numa cidade, presenteou-nos com uma bela e aromática sopa, mesmo ao estilo Invernal. A sua sugestão foi confeccionada com ervas aromáticas frescas crescidas em sua casa.


A Ondina, do blog, Coentros & Rabanetes,  com uma divertida história de um chutney de abóbora, com abóbora oferecida por um amigo.



A Manuela, do blog Delicias & Companhia, dos Açores; com uma refrescante participação, ao apresentar-nos uma saladinha de laranja.  


A Lina, do blog de Aroma de café,  conseguiu trazer-nos uma sugestão 100% local! Uma reconfortante sopa, que é no fundo um dos pratos mais completos que podemos consumir. As sopas conseguem ser tão versáteis que poderemos usar qualquer coisa que seja produzida nas nossas áreas de residencia... Os ingredientes da sopa da Lina vieram de hortas de familiares e produtores locais.


A Sofia, do blog No Reino da Prússia, que nos é escrito a partir da Alemanha, sugeriu uma abóbora no forno bem simples, que poderá ser servida como acompanhamento ou refeição leve. Os ingredientes escolhidos vêm da sua área de residência.  

Uma vez mais, um grande obrigado a todos pelo empenho, e por todas as fantásticas sugestões!!
Beijinho*

domingo, 11 de Dezembro de 2011

2º Aniversário - Um souflê de beterraba, bem local...



Olá a todos, o desafio que lancei à blogoesfera na semana passada ainda está de pé!
Continuamos à espera das vossas carinhosas participações...

A minha participação neste desafio local foi levada bem ao extremo... 
No Verão, conseguimos cultivar algumas coisinhas por cá, mas quando os dias começaram a encolher abruptamente e as temperaturas a descerem para lá dos 0ºC, perdemos a esperança e resignamos-nos ao longo e rigoroso Inverno Islandês... 
Com o ritmo lento dos dias, fui esquecendo as nossas beterrabas lá no quintal da comunidade.. Mas agora, no pico do Inverno, como seria possível resgatá-las? O solo estava congelado! A neve pelos joelhos! Inspirando coragem, lá nos resolvemos a ir, de pá em punho começámos por escavar neve, solo e tudo à mistura até que avistámos a primeira beterraba; como rubis esquecidos na neve, ali estavam elas, frágeis e congeladas, coitadinhas... Os nossos olhos arregalaram-se e com um sorriso cúmplice colocámos-las no cesto das colheitas.
Ora o destino delas foi estes belos souflês que hoje vos apresento . 

Serve 4
Ingredientes
150gr Beterraba (1 beterraba média) - Da nossa Horta
azeite
1 dente de alho picado
15gr margarina
1 c.sopa de farinha
1/2 cebola pequena picada finamente - Da nossa horta (ainda do Verão)
120ml leite - Produzido na área
sal fino
pimenta moída na hora 
noz moscada moída
2 ovos separados - Produzidos aqui na Comunidade

Margarina e pão ralado para untar as formas



Faz-se assim
Pré-aquecer o forno a 200ºC.
Começamos por lavar bem a beterraba. Em papel de alumínio colocar a beterraba inteira, com um fiozinho de azeite e pitada de sal, assim como o dente alho picado. Selar o papel de alumínio, colocar num tabuleiro e levar ao forno cerca de 40 minutos.

Retirar a beterraba de dentro do papel de alumínio com cuidado. Aguardar um bocadinho para que esta arrefeça e possa ser manuseada.
Retirar a pele da beterraba (sai muito facilmente, só assim raspando), e com um ralador fino, ralar a beterraba. Reservar.

Aumentar a temperatura do forno para 240ºC enquanto avançamos com os restantes passos da receita.
Untar 4 forminhas para souflê (ramequins), com margarina, polvilhar com pão ralado. Reservar.

Numa pequena caçarola, derreter a margarina, adicionar a farinha mexendo sempre com uma vara de arames para que a mistura fique lisa, e sem grumos. Adicionar a cebola e deixar cozer alguns segundos. Verter o leite, e em lume brando continuar a mexer vigorosamente até engrossar. (Como o molho bechamél).
Temperar a gosto com sal, pimenta fresca e noz moscada. Retirar do lume e transferir o preparado para uma taça de vidro. Adicionar a beterraba, distribuir bem com a ajuda de uma vara de arames.
Assim que arrefeça um pouco, adicionar as gemas uma a uma, incorporando bem.   

À parte bater as claras em castelo com uma pitada de sal.

Com uma espátula de borracha, incorporar 1/3 das claras em castelo na massa de souflê. Adicionar as restantes claras em castelo tendo cuidado de não mexer demasiado para que o preparado não perca volume. 

Encher até metade as forminhas de souflê, bater com as forminhas sobre um pano de cozinha, para que no fundo destas, a massa de souflê fique distribuída uniformemente. 
Acabar de preencher as forminhas, levar ao forno, reduzir a temperatura para 220ºC. 
Coze cerca de 20 minutos.

Servir de imediato com salada.



 


terça-feira, 6 de Dezembro de 2011

2º Aniversário... E um Desafio local



Nem dei por isso, sou muito desleixada com estas coisas de datas, aniversários, comemorações etc...
Mas a verdade é que 2 aninhos passaram desde das primeiras palavras desabrochadas deste blog.
Foi a vontade de partilhar as minhas convicções e opções de vida, de impacto ambiental mais reduzido, que me levou a criar este espaço verde. Já para não falar da paixão pelos tachos e colheres de pau.
Desde então a minha vida muito tem mudado, as experiências acumuladas têm sido muito enrriquecedoras, o blog já percorreu 3 países e eu por cá continuarei a trazer-vos novidades, e partilhas confidente dos sítios por onde passo, das pessoas que cruzam a minha vida...

Apesar de não residir em Portugal, mantenho uma grande conexão com as minhas raízes; particularmente no que toca aos costumes gastronómicos das nossas gentes, pela qual tenho imenso apreço.

Vegetariana por opção, não sou contra o consumo das carnes/peixes desde que sejam locais e meramente para fins de subsistência.

Actualmente estou a morar bem a norte no globo, na Islândia, aqui uma dieta local seria resumida a carnes de ovelha, peixes e alguns vegetais que crescem nas estufas aquecidas por meio de energia geotermal. 
Tentámos crescer uma hortinha no Verão, lá fora; os resultados não foram tão bons quanto desejados. Ora demasiado frio, ora as 24h de luz deixavam os vegetais todos malucos... Enfim peripécias de quem escolhe viver num sitio tão remoto quanto este...

Como não poderia deixar de ser, o tema eleito para celebrar este aniversário, é Comida local
Para participar neste desafio terão de elaborar uma receita em que usem o maior número possível de ingredientes locais! Ou que a estrela da vossa criação seja um ingrediente local.. Seja crescido no vosso quintal, seja do agricultor da vossa zona, duma vizinha etc etc..

Aqui está o que devem fazer:

- Ingrediente/ Ingredientes locais
- Vegetariano
- Deverão participar até ao dia 15
- Deverão deixar um comentário com a vossa participação aqui no blog, ou na página do facebook.
- Os resultados serão publicados aqui no dia 16

Vão ver que é fácil do que parece... Boas inspirações!
Bem haja a todos, pois vocês são uma grande contribuição para este blog!

domingo, 4 de Dezembro de 2011

Pakoras Indianas com Raita de pepino

 

O espírito indiano tem invadido a nossa casa, desde que o meu companheiro do coração, regressou da sua longa jornada aos meandros da Índia.
Para além de um rico diário recheado de experiências, e histórias interessantíssimas e caricatas, trouxe também uma grande panóplia de oferendas e especiarias, das mais diversas cores, aromas, formas... Enfim um sonho para quem ama estas lides da cozinha! Confesso que me senti uma verdadeira criança ansiosa por experimentar tudo!

Entretanto, como a minha cozinha aqui em casa tem mais movimento à noite (note-se que agora é quase sempre de noite, risos..), não sobra muita paciência (depois dos enormes dia de trabalho), nem luz para as fotos para colocar no blog...
De modo que o fim de semana é sagrado para estas coisas, e por isso desta vez decidi presente-ar-vos com esta sugestão directamente da Índia!



Serve 4
Ingredientes 
300gr farinha de grão de bico
600gr de batata ralada grosseiramente sem casca
2 cebolas em tiras finas
100gr de espinafres
4 dentes de alho
1 c.c. chili em pó
1 c.c. cominhos em pó
1 c.c. sal fino
1 c.c. garam massala
1 c.café de tumérico
1 c.café fermento me pó

Azeite, ou óleo indicado para fritar.

Faz-se assim
Misturar os espinafres, cortados em tiras finas, com as batatas raladas e cebola.
Incorporar todos os ingredientes secos até obter um preparado pastoso.
Aquecer uma sertã de fundo pesado com o óleo.
Tendo por medida uma colher de sopa (mal cheia), fritar no óleo bem quente. Virar uma ou duas vezes até que estejam bem douradinhas. 

Colocar sobre papel de cozinha para absorver o excesso de óleo. Reservar.

O molho, Raita de pepino
200gr de iogurte grego, ou natural
1 pepino pequeno
sumo de 1/2 limão
um raminho de salsa
pitada de sal fino

Faz-se assim
Ralar o pepino grosseiramente. Picar a salsa.
Combinar todos os ingredientes. 

Servir com o molho sobre as pakoras ou numa tacinha à parte para as ir mergulhando.
Servi com arroz jasmim simples.